terça-feira, 23 de maio de 2017

O que somos?

Se eu tivesse a certeza das palavras soltas e ridículas, poderia ser mais feliz e assertivo no resto da minha vida, pensando-a e manifestando-a na leveza da minha humildade. Mas não...Perco-me por vezes e muitas são no estranho encanto da minha soberba, julgando-a" rainha", percebendo depois na minha ilusão material de todos os dias, o seu iníquo poder, afastando-o e julgando-o pérfido

segunda-feira, 22 de maio de 2017

A fé de uns e que outros procuram

Deve ser pesaroso manifestarmos sentimentos ,os quais não somos capazes de os amar, sentindo-os na matéria e no espírito?. Confesso-vos de todo as minhas inquietas duvidas na minha fé, como que uma sede intensa e tendo a água a um estender de uma das minhas mãos, e não a consigo beber. Conheço a minha respeitada colega Dina Neto, desde a nossa actividade na Figueira da Foz e depois em Montemor. Sobrevivemos até aos dias de hoje, com os nossos erros e os nossos contraditórios. O que ficou para sempre, foi uma forte relação profissional e de amizade, feita de verdade e a sua natural simplicidade de pessoas que se estimam com a sua genuína cumplicidade de amigos e irmãos.Mais logo o corpo do Pai Horário, vai baixar á terra, mas o Pai, só morreu em matéria, pois sabe e sente a Dina Neto, que o Pai, continua a viver dentro de si e para sempre.Que momentos tão tranquilos eu tive com este exemplo de fé na vida eterna, perante a morte, buscando em mim a água que me falta beber

quarta-feira, 17 de maio de 2017

O Especial Marinha das Ondas, terminou ontem Lá estive com o meu camarada João Boia, dizendo-lhe até já. A Ália Carvalho, que jeitinho no seu programa,a justificar a minha ideia de que a jovem tinha o tal jeitinho, quando a desafiei para fazer radio na Foz do Mondego. O que me torna feliz é que deixei a porta aberta na Foz Mondego Rádio 99.1, tal foi o meu empenhamento e respeito por todos e pela empresa Como sempre vim embora de mãos limpas, agradecendo e trazendo-os comigo ;Nogueira, Sansão. Miguel Bóia, Felix Anita,Lemos,Estrela, os que foram embora.Matos,Oliveira,Aldo, Bruno,Martins, Gonçalo, os ouvintes que me aturaram. Se alguém falta, as minhas desculpas Outro desafio me espera na Figueira T.V, esperando o mesmo formato no trabalho e na seriedade de processos No próximo dia 27 de Maio, as Vozes de Montemor, actuam no café Nau, 5 da tarde, já com o apoio da FIgueira T,V. O Baixo Mondego, será emitido, em devido tempo, já com as Vozes de Montemor,Para já preparamos a primeira freguesia da Figueira da Foz, depois se vai ver o povo que se junta para dançar, porque bitaites é facil demais, agora realizar, custa muito trabalho e dedicação Sem lamurias, despeço-me com sincera gratidão

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Um povo civilizado não precisa da policia?

De repente.
Dei por mim tranquilamente, ao findar a tarde de domingo, ruminando na minha quietude, as paixões de um nobre povo, por ruas e praças, outros em casa, tranquilamente, como fiz do meu espaço o melhor sitio.
De repente, surgiu-me o que foram as alarvidades no futebol e a sua gritaria e porque não, a sua paranóide, a justificar um retiro sobrio e civico, capaz de na próxima época, vivermos o grande espectáculo sem a tragédia das claques e de uns tantos que deveriam ficar os 90 minutos, guardados na policia, ouvindo o relato pela radio, se possivel, porque pela televisão, já era um luxo

sábado, 13 de maio de 2017

Nunca digas nunca. Logo pelas 15 horas, realizo o meu ultimo programa do Baixo Mondego Vou lá estar com os meus amigos e companheiros, a nossa" netinha "Ana Rita, o veterano e leal João Bóia, tudo isto na Foz Mondego Rádio 99.1 O convidado,Jorge Camarneiro, de tantas e outras conversas e sempre com Montemor, nos seus temas Terça feira dia 16 de Maio 2017,o final do Especial Marinha das Ondas, depois sim, vou dizer nunca digas nunca, porque se trata de uma palavra mentirosa! Quantas vezes disse á minha mulher que não comia arroz,quando a namorava em Montemor? Na tropa, jurei nunca mais, nunca mais vou comer arroz na vida civil. Olha, olha agora aquele arroz de lampreia ou de outra cozedura, é cá um sabor..Pois venho embora e já tenho saudades Outro desafio ganhando o mesmo de sempre, porque se não fosse os cabelos e as barbas morria de fome? Por lá ficam o Mar revolto de vez em Quando e os Tostões e os Milhões Fica também uma grande porta para regressar, o que me honra imenso, levando comigo os meus companheiros.Uma fase muito dificil, sem saber o que fazer, porque comunicar via radio, é uma sina que se ama toda uma vida, tal qual uma mulher O nono projecto já em andamento, terá aqui a sua divulgação. Bom fim de semana

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Batista Bastos.

A vida e a obra de Batista Bastos, foi notável e reconhecida por intelectuais e outras gentes do povo, que o admiravam pela sua frontalidade, como abordava os problema sociais e politicos do pais. Foi a meu ver, um portugues de grande dimensão e pensamento, contestando ditaduras e os radicalismos politicos, mas enfrentando como poucos, o sectarismo ideológico dos menos progressistas, porque livre e criativo Os que se recordam da Republica, no regime Salazarista, entre outros bravos jornalistas,Raul Rego, que acabou expulso do jornal, Batista Bastos, regateou por entre linhas, o combate pela liberdade de expressão Com a sua morte, percebi outra vez que o fundamentalismo politico é enganador e trôpego, propositadamente...

terça-feira, 9 de maio de 2017



O que foi uma tasca, é hoje um excelente restaurante


Memórias

São as minhas e de longa distancia, conduzindo-me no presente aos sitios, que me permitem evocar os valores do passado, por mim vividos e armazenados ao longo da minha vida, com um sentimento tão próximo e humanizado A Sra.Olinda Marinheiro, como tantas outras pessoas do meu lugar do Casal Novo do Rio, são a garantia de que existo no presente, mas com o quadro memorizado da minha juventude, motivando-a agora na presença da Sra Olinda Marinheiro, não por ridículos escritos de circunstancia, mas por existirem neles a dignificação do trabalho e a confiança que a Sra Olinda Marinheiro, depositava no meu pontual e assumido pagamento. Acho algum despudor, quando algumas pessoas , vindas de modéstias vidas, procuram enganar-se e os outros também, só porque pelo trabalho, ou porque outros lhe garantiram brilhantes futuros, enfiam a cabeça na areia, altivamente ingratas no fundo da sua consciência, coitadas!! Comigo a minha memória não me lixa, vou á sua origem e sou feliz por esse motivo, não me iludindo. Por volta de 1959, o meu pai morreu no casal Novo do Rio, já eu trabalhava na Figueira, como barbeiro.Regressava ao Casal, onde trabalhava numa modesta barbearia, no tempo em que as barbas e os cabelos, custavam vinte e cinco tostões. Ao fim da tarde, ia á mercearia da Sra Olinda,pagando a divida que a minha Mãe, tinha feito durante a semana, café ,açucar, não sei se era amarelo ou granulado, o bacalhauzito, que sei eu desse tempo? No domingo junto da veneranda mulher, recordamos esses distantes domingos em 1959

segunda-feira, 8 de maio de 2017

O lendário castelo de Montemror, ao longe.


!940--2017.O regresso ás minhas origens, na companhia da minha mulher. recordando a tasca do Ti João.Hoje um tipico restaurante da Isabel Marinheiro e do seu marido Joaquim Fabricio. O rio tão perto do lugar, tem agora uma brutal montanha Foi  onde nasci em 1940,Fui caminhando vida fora, mas regressei sempre ao meu lugar, onde respiro a minha realidade social




sábado, 6 de maio de 2017

Baixo Mondego, emitiu o penúltimo programa na Foz Mondego Radio 99.1 No próximo sábado, dia 13 de Maio 2017, no mesmo horario, encerramos com um montemorense,Jorge Camarneiro. Esta tarde a vereadora da Cãmara, de Montemor, Alexandra Ferreira, directamente da Vila montemorense,historiou aos ouvintes, os diversos projectos sociais do Municipio, considerando várias vertentes de apoio aos idosos. A infãncia, as bolsas de estudo, entre outros serviços na comunidade em Montemor, incluindo as freguesias. A emissão comunicou também com a Cova Gala. O Maritimo, completou 79 anos, trazendo à antena o seu Presidente Carlos Nunes A poesia de João Pita, o Dia da Mãe, foi recordado, num programa com o apoio da menina da radio, a Ritinha, o veterano João Boia, colegas meus de gratas recordações

Baixo Mondego despede-se

Esta tarde pelas 15 horas na Foz Mondego Radio 99.1 e depois em 13 de Maio 2017, realizo e apresento os dois ultimos programas, terminando a minha colaboração na naquela radio da Figueira da Foz.Levo algumas pessoas no coração e outras não me passaram do peito, mas a minha idade já não me permite lutar inglóriamente por causas, esgotando-me e sofrendo com dificuldades, as quais não tenho capacidade para resolver.
Como sempre vou embora de mãos limpas, também orgulhoso dos meus colegas me terem manifestado a sua vontade para que ficasse, o melhor prémio da sua amizade Voltarei com outras noticias sobre a minha despedida, sem que  por esse motivo, venha com a roupa suja propondo a sua lavagem , Até já e tenham bom fim de semana

segunda-feira, 1 de maio de 2017

No silêncio se pensa melhor.

Boa noite, boa noite
Dentro de alguns minutos, os melros que devem ser iguais aos que Guerra Junqueiro, evocou no seu poema, vem manifestar-se na sua natureza, chilreando por dentro de umas tais árvores, por ali frondosas. Vou á varanda e fico por ali a escutar os seus belos desafios na noite e na madrugada.
Gosto do silêncio da madrugada.Parece-me que as pessoas se reuniram para pensar o dia que vem aí, no sentido fraterno nas vivências, mas não, porque sou assim ingénuo?