sábado, 31 de maio de 2014

Centenas de cabeleireiros no Casino da Figueira da Foz

A partir das 10h, de amanhã, dia 1 de junho, a Figueira da Foz, vai receber um dos mais credenciados festivais de cabeleireiros, do País, Vindos do Porto, Guimarães, Loulé, Lisboa, Oliveira do Bairro Cantanhede, Figueira da Foz, Ferreira a Nova, Carapinheira, não faltando com a sua escola um profissional de França e outro de Espanha.
Do ponto de vista comercial, a restauração, entre as 13 h e as 15h, não vai dar resposta no Bairro Novo, a esta anormal presença de clientes, pensando a organização, logo á chegada dos visitantes,
indicar-lhes outros apoios pela cidade.
O único que marcou mesas foi o Búzio, 45 lugares, restando apenas 5 disponiveis, sendo o atendimento nos restaurantes, uma preocupação da organização, já que é de todo o interesse que os nossos colegas, levem a melhor impressão da Figueira da Foz.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Vamos valorizar os nossos tomates

Afinal senhores bloguistas do centro, da esquerda ou da direita, somos os maiores nas saladas, castanhas e no mercado dos tomates, a sua transformação industrial, tem uma capacidade  de 11 mil toneladas diárias de concentrados, triturados e polpas.
Não brincando com coisas muito sérias, a reportagem de hoje no C.M. é muito animadora no mercado nacional e internacional, nesta área, não faltando o porco preto de Barrancos, vendido em Angola, Macau e Venezuela.
Portanto, caros bloguistas, a começar por mim, vamos valorizar o que é nosso e temos muitas razões para nos orgulharmos que uma grande parte do país trabalha a serio, enquanto algumas chupadeiras, gostei dessa ou MY FRIEND, engordam á custa dos outros.

Vamos ao circo com as nossas crianças.

Os palhaços tem arte e muito amor para dar ás crianças e aos mais velhos também.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Concurso Nacional de Penteados da Figueira 2014

E já no domingo dia 1 de Junho, a partir das 10h, que se realiza mais uma edição do Festival de Cabeleireiros, com o apoio do Casino da Figueira e com a organização do Centro Artistico e Cultural de Portugal, sediado no Porto.

os meus e-emails são filtrados em Havana?

Só não tenho problemas porque vivo num país que não perde tempo com estas mesquinhices, ou por outra, vivo e amo um país livre, repleto de corruptos, é certo.
Sou contra os boateiros sem escrupolos, não sabendo até que ponto é verdade o email. vindo do Brasil, de um amigo meu, lá radicado á muitos anos e que denunciava a vida anormal de um Castrista, rendido ao capitalismo.Pois bem: avisado dos perigos que corria, limito-me a pegar no assunto pela rama, já que as duas famílias com quem mantenho comunicação em Havana e Matanças, eu próprio, se um dia voltar a Cuba, o que seria a terceira vez, posso vir a correr sérios riscos da minha liberdade cívica.
O telefonema de Lisboa (sem as minhas especulações ) assustou-me pelo facto de vir de um individuo cubano, já legalizado em Portugal, que me pediu pelos santinhos, para calar a minha revolta, contando-me coisas impublicáveis, afirmando-me que os e-mails são filtrados em Havana  sempre que dirigidos para  aquelas famílias. Caso lhes enviasse o que lhe enviei para Lisboa, não seria de todo para aquelas gentes do caribe, uma mera informação, mas sim uma grande ofensa ao poder da Ilha.
Pergunto ao mundo como posso eu ser comunista, tanto não tentes, mas caminha pela esquerda de olhos abertos e livres.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

No Castelo de Montemor-o-Velho

Um pormenor do interior da Igreja de Santa Maria de Alcaçova, no interior do castelo.

Arte Fotográfica.,

Pedro Cruz, é o terceiro da direita entre os companheiros esta tarde, na inauguração da sua exposição fotográfica no C.A.E.

Será que o Sr Pinto da Costa, já pensa nas tramóias da proxima época ?


"O olho clinico do artista" Não é lisonja ao Pedro Cruz, mas justiça na sua artee assumida vocação.


A utilidade do Museu Barbeiro e Cabeleireiro, do meu colega Joaquim Pinto

27 de Maio de 2014

HISTORIAS DOS BARBEIROS E CABELEIREIROS

Histórias dos Barbeiros e Cabeleireiros

1551 = Havia em Lisboa 57 Médicos 60 Cirurgiões 197 Barbeiros e 25 Camareiras.
1635 = Apareceu o Primeiro Cabeleireiro de Senhoras "Champanhe"
No século XV foi aprovado aos barbeiros estarem 2 anos de prática nos Hospitais para aprenderem as cirurgias e a Sangrar.
No seculo xv1 os barbeiros e sangrados tinham regimento próprio
1693 = Barbeiros foram obrigados a saber ler e escrever.
1870 = 31/7 Foram proibidos os barbeiros de de tirar dentes e sangrar.
-1880 = Aparece o primeiro champô.
1873 = Era criada a primeira Associação dos Barbeiros e Cabeleireiros.
1900 = Primeira pintura e descoloração.
1930 = Primeiro champô neutro.
1955 = Primeiro curso em Portugal.
1954 = Primeiro método Hardy.
1954 = Primeira Demonstração em Oeiras pelo Campeão Cabeleireiro de Homens Jean Hugo.
1952 = Primeira Escola de barbeiros e Cabeleireiros.
1950 =Primeiro Clube Artístico dos Cabeleireiros de Portugal

terça-feira, 27 de maio de 2014

Pedro Cruz, o fotógrafo da Vila de São Pedro, Figueira da Foz.

Amanhã no C.A.E, 28 de Maio 2014, 18.30, (sala Afonso Cruz ) será inaugurada a exposição do Mural de Mário Belém.
A narrativa que conta a história do Mural pintado, levou 7 dias de trabalho ao jovem fotografo, noticiou o D.C.
A Vila de São Pedro, surge assim associada a um artista das imagens fotografadas, não sendo de mais reconhecer que a freguesia, de gentes do mar, é hoje e no futuro dignificada pelo jovem artista, apesar da sua actividade se motivar na Figueira e na Região Centro.

A cultura popular do Zé Povinho só dá golos.

Quero lá saber se o Jesus vai embora? Ponham lá o Manel, ou outro gajo qualquer, gosto do Benfica e do espetáculo do futebol, mas com esta industria da bola no Benfica e noutros clubes, é bom que pense noutros valores, sem me tornar fanático e culpado também desta ignorância que só dá golos
Veja as multidões nas ruas por causa do Benfica, as entrevistas parvas dos fanáticos, mas agora para repor a dignidade social e procurarem outros políticos para governar o país, foram todos para estágio. Para este povo que não sente nem sabe avaliar a liberdade que tem, decretava-lhe uma ditadura castrista durante um ano, quem sabe se aprendiam a ser gente? Uma tristeza caro anônimo. Comuna eu? Vamos lá ser frontais e homens de não ter medo do que somos.
Pouco me importa que o pensem desse modo, o que me anima a viver e a acreditar que se justifica é não desejar aos outros o que não quero para mim, é ver um meu irmão na valeta e ajudá-lo a levantar-se, se isto é ser comuna, então meu caro aqui me tem para o que vier por aí
Ser comuna de olhos fechados é ser seguidista  e calar as prisões  em regimes fascistas, como fez a delegação do partido comunista, numa visita a um país com esse regime, assim já não sou comuna outra vez. Chegaram cá e foi tudo fraternidade e bacalhau a pataco, encontraram as maravilhas sociais, deviam ter visitado as cidadelas, quando sei que deviam denunciar essa filhadaputiçe toda, tal como eu fiz e continuo a fazer.
Olhe meu caro. Vou mais longe em dizer~lhe o seguinte. Tenho um ou dois amigos comunistas que muito estimo. Costumam convidar-me para almoços de convivio e eu tenho muito gosto em partilhar e botar palavra, mas se um dia voltar a esses convivios ou me deixam denunciar esta vergonha social e humana, ou então fico com a família que não me corta  a raíz do pensamento e o respeito que devo aos outros, porque os outros sou eu também, entende-me caro anônimo, ou quer que lhe faça um desenho, porque com politico deste jeito não há por ai partido que me deixe fazer a inscrição.
Cordialmente.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Politico eu!


Votei na C.D.U. na esperança que venha alguém desmascarar com coragem estas verdadeiras tropelias sociais. O que está em causa no meu constante batalhar por justiça social, creia que não é politica de partidos, de arranjismos e mesa farta, o que está em causa meu caro anônimo, são os direitos humanos, o que é diferente da politica, repondo neles a dignidade que é esmagada por estes grupos políticos, (eles sim políticos ) que se cagam nesta triste comedia da solidariedade, feita de palavras e corrupção
Como lhe gostaria de contar o que foi o meu dia de hoje no salão, não o faço por dever á minha intimidade e ao respeito dos que, eventualmente, venham clicar neste espaço de contestação social, mas a vida dos outros, as suas dificuldades, o jovem deficiente a pedir-me trabalho, arrasaram-me para o resto do dia,


O salário minimo nacional e as regalias dos eurodeputados

Pois é...Para ser franco não acredito na otupia da igualdade social, do pão e da habitação e a respectiva casa de banho privativa. Que querem ? A cada um o seu defeito.
O que acreditava com a revolução de Abril ( os exemplos foram desastrosos ) sonhava eu que os reformistas democráticos, solidários com a aproximação de classes, viessem trazer algum conforto e dignidade aos que vivendo do seu trabalho, fossem atentamente escutados e apoiados, o que  não seria pedir de mais.
A verdade é que ao discutirem-se os contratos colectivos de trabalho, só falta colocar a pistola em cima da mesa. Parece que vai acabar o mundo, por uns aumentos rodeados das piores discussões entre o patronato ( por vezes a viverem de estúpidos luxos ) e os sindicatos a lutar por um pedaço de comida.
É pois neste terrivel paradoxo que me interrogo onde principia o caracter e a solidariedade social na discussão do salário minimo nacional ( mais parecendo uma esmola para quem o recebe ) e agora as regalias dos eurodeputados, gentes de saberes e universidades ( todos doutores ) e um manobrador de maquinas, tão digno quanto eles, que não passa de um individuo em que é necessário tirar-lhe a pele.
Europa, Europa, aqui tens a proporcionar aos 21 eleitos, um emprego colossal, libertados de uma vez por todas, do trágico desemprego e de terem que fugir do país com a mala de papelão, estrada fora, ou de avião, se houver dinheiro.
"É que o salário minimo dos eleitos para Bruxelas," quantifica-me na ordem os 8 mil euros, mês juntando depois os subsídios e reembolso de transporte, água de colonia, julgo que vai na mala!
Há ajudas de custo no valor de trezentos euros diários, mais um subsidio de quatro mil e duzentos euros mensais para cobrir os custos de gabinetes e depois mais vinte e um mil euros para gastar mensalmente. Como  esta noticia é vinculada ao C.M. o bocas cà so sitio, o melhor é pensar que a coisa não é bem assim.

O que lamento agora é que eu votei nesta fraternal solidarieddade  democrática, da igualdade, onde uns comem os figos e outros, rebentam-lhes a boca, tendo em conta que uns ganham umas codoas, e outros fazem a diferença em brutais regalias, a bem do povo?


Ao casal Silvana Grilo. com os quais partilhei grandes viagens e muito aprendi no trabalho e honestidade. Grato para sempre

Foto: De todo, o mundo não é dos espertos ! ... Até podem sentir o gostinho da vitória ,mas só  até  deixarem  cair a máscara . E quando a vergonha chega  de terem sido  desonestos, já é tarde demais....

domingo, 25 de maio de 2014

Da Marcha do Vapor, com graça e a proposito.


Não sei porquê mas depois deste acto eleitoral fiquei com a ideia de que AINDA HÁ BURROS FELIZES

Visitando blogues ao domingo. A quem serve a carapuça ?

EU SOU O CAMINHO, A VERDADE DA VIDA

NINGUÉM PODE CHEGAR AO PAI SEM SER POR

MIM:

JESUS CRISTO.


Com o respeito que me  anima a mensagem  cristã, acreditando nela e nas minhas limitações, admirando-a. Porém, para os que vendem gato por lebre, aqui fica para os distraídos  a minha ironia e alguma compreensão, tendo em conta que ninguém é perfeito, a começar em mim...


Eu sou o caminho da embirração  para com os outros. A mentira da vida. Ninguém  pode chegar aos outros sem ser por mim,

Autor e responsável pela ironia. Olimpio Fernandes

.

Apresso-me a repor o pedido de resposta do Sr Pinto Balsemão.

Fica o meu protesto sobre ( a ser verdade) o jornalista mentiroso, mas também as minhas duvidas, face á falta de solidariedade de alguns ricaços, que não comem para não se sentirem pesados!

Fidelidade aos partidos ?

Passam uns minutos da meia noite, o que quer dizer que estou já em dia de eleições, 25 de Maio 2014. Desta vez é a Europa, que me chama. Sinto-me humilde e ao mesmo tempo um individuo  feito homem livre, responsável, ciente de um dever cívico e privilegiado no estatuto da minha cidadania.
Deve ser por esta “vaidade”, corporizada livremente num voto, num pequeno orifício, que defendo até ao limite do meu conhecimento, os valores da democracia, pois é neste espaço de escolha  que devemos dizer não a estes governos que arruinaram o país.
Se a democracia é mudança e oportunidade de novas escolhas, não percebo a cultura deste povo esmagado e que continua numa fidelidade aos partidos, se a verdade corrente e dos factos de muitos anos, não se justificam que sejam votados na sua continuidade governativa, sendo estranho, é uma escolha, mas perdendo a razão  de os criticar.
Vou votar com muitas duvidas, sobre a adesão à moeda única, que trouxe prosperidade e a quem?
Aos que vivem dos seus salários, reformados e outros que tais, quando se receberam milhões para deixar de se cultivar e pescar? Não falando nos milhões para construir estradas e as regalias que passaram por debaixo da mesa,para alguns, mas eu vou votar num partido à esquerda que tem a coragem em denunciar os que se serviram do sistema.

sábado, 24 de maio de 2014

Os sacadores que Abril pariu.

Será que este democráta dos milhões, está preocupado  com as familias que não tem dinheiro para tratar as cataratas e os dentes para comer a broa?
Se alguma coisa me repugna é ter inveja dos ricaços, mas o que me repugna de verdade é a sua falta de sentimentos, vivendo só para o dinheiro e nunca são capazes de levantar a vóz a favor dos
humilhados, por isso Abril os pariu e um dia, iguais a todos, os levará também. 

Local de referencia e paragem dos viajantes.Vila de São Pedro, Figueira da Foz



Museu do barbeiro e cabeleireiro.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Ao anônimo de 23 de Maio 2014 00.2



Sobre o sr doutor, uma opinião minha e um sentimento de protesto, quando na televisão, os tratamentos da boca e das cataratas, em famílias sem recursos, são mostradas como modelos para comoveram as audiências, motivou o caro anônimo a um justo comentário, dizendo que já me tinha criticado,(ainda bem) mas educadamente.
Para mim, apesar daquelas famílias que não tem dinheiro, e consequentemente, beneficiarem daquele apoio é um bem de saúde, mas o que existe nestas comiserações, é uma filhadaputice que a democracia não tem culpa, mas os gajos que se aproveitaram e que reformaram sempre a favor das clinicas privadas e do bago forte do capital, esquecendo aqueles que a televisão, nos mostra agora sem dentes para comer a broa.
Se volto ao tema, justifico-o no anônimo, para que não pense que vivo nas nuveis e que esta frontalidade ao abordar esta vergonha, me apanha em contradição, porque é sabido que sendo extraorodinário num país comunista, os cidadãos beneficiarem de apoios na saúde e gratuitos, não tem de todo a minha simpatia, e porquê ?

Sendo de facto um bem precioso, o que fica no resto das vidas das pessoas?. Habitação, alimentação, não falando nas liberdades cívicas, só visto para se acreditar, por isso a bandeira da saude gratuita, arrasta consigo outros sofrimentos, que o nosso povo não tem e não tem a saúde de borla.
De resto, se nos meus ideais, são sempre as pessoas que assumem a minha razão, e não ideologias da esquerda , do centro ou da direita, porque não falamos do Canadá, onde á 20 anos passei 12 dias em Toronto, ou a Inglaterra, a França, ou tenho que gramar uma ditadura com barbas, vendo os meus semelhantes, com apoios á saude gratuitos, muito gostoso, sim senhor, e depois um cortejo de privações que não fazem sentido,  numa revolução justa, porque  outro ditador  teve que fugir pela porta do cavalo, do seu palacio, agora com a monumentalidade da revolução.
Confusões caro aônimo?
Quanto nos batemos  pela verdade e pela justiça, quando afinal vamos na mesma estrada nunca pode haver confusões, mas sim convergência e uma luta que nos anima a sermos honestos e humanos

Permita-me já agora dizer-lhe que vá votar no domingo, ou  colabora com esta bicharada que arruinou o país?
Cordialmente.

O Sr doutor e o penico.



Tenho uma vaga ideia de um médico(verdadeira consciência de médico ) que em Montemor-o-Velho, nos deixou uma nobre mensagem de respeito pelos doentes que não tinham dinheiro para pagar as consultas. Ou não cobrava o seu trabalho, ou então no fim das colheitas, as famílias liquidavam as suas dividas, com milho e feijão e outros produtos da terra mãe.
Em Montemor (eu era um puto ) estávamos longe das casas de banho e da água corrente mas aquele médico, possuía o dom da solidariedade e tratava as pessoas doentes ou não, de tal forma que os antigos em Montemor. ainda falam dele como um grande exemplo de bondade.
Nessa distante época, os penicos, ou ficavam debaixo da cama, ou na mesinha de cabeceira, mas o nosso saudoso homem, dizem ainda hoje, porque estas virtudes passam de gerações em gerações, tanto estava feliz numa casa de pobres, como numa casa remediada.
E, se por descuido batia com os pés no penico, acomodado debaixo da cama do paciente,porque era uso chamar-me doutor ao penico, logo aquela boa alma , enchia o quarto de boa disposição...Olá colega, olá colega.
Quanto ao comentário do anônimo 23 de Maio de 2914 00.2, é pouco claro quanto ao texto do Sr Doutor, ou pretende que a saúde seja publica e gratuita?
Bom...Vou dar.lhe a minha opinião, sustentada na experiência e algum conhecimento de causa. (Eventualmente) esse bem publico, levar-nos-ia para um regime anti-democrático e em muitas situações de cidadania. muito pior do que o nosso, mas não sei se é por aqui que comentou o texto, seja claro,porra!
Como não sou homem de fugir ás questões, vou responder-lhe, reconhecendo que é pouco  frontal sobre o texto do Sr Doutor, porque se nota que ficou alguma coisa para dizer, mas nesta pátria de ladrões não vai preso por falar ou criticar, por enquanto.


quinta-feira, 22 de maio de 2014

As humilhantes consultas do Sr. Doutor

O Sr. Doutor.
Vestindo a rigor, e mostrando muita bondade com os seus pacientes é um estilo de programa passado na T V I, e liderado por Fátima Lopes, ela também muito "dorida" quase chorona, porque o Ti Zé amargurado de vida, melhorou do olho e da catarata. Sendo este espetáculo o produto dum bem de saude, porque alguem beneficia no programa com os tratamentos do Sr Doutor, nomeadamente pessoas demasiado carenciadas,não deixa contudo de ser um tanto ou quanto chocante.
O Sr Doutor viaja pelo país num transporte adequado, distribuindo amor ao próximo, procurando familias necessitadas de cuidados médicos, mas com uma comiseração que sendo verdadeira, não deveria ser assim propagandeada. Se a saude num Estado sério e digno, deve providenciar os meios de assistencia a todos, inclusivé aos humildes, esta caridadezinha assim aproveitada para programa de diversão é fora de propósito. Isto é mais uma aberração anti Abril, é um procedimento que nos mostra o atrazo que ainda persiste, é mesmo uma injustiça social, fazer espetáculo com a desgraça dos outros neste caso dos mais pobres,e evidênciar ostensivamente a bondade do Sr. Doutor... Fazer o bem sim, isso é extremamente meritório, tratar os olhos, os dentes, sem cobrar dinheiro e ainda acarinhar quem está doente e é pobre, a isso podemos chamar de sublime ( sempre e nos tempos que correm) mas quando feito sem alarde, e com a privacidade natural que deve existir, e todo o ser humano deseja e merece. Agora expôr estes métodos de assistência, que deveriam ser um direito natural e social, como entertenimento num programa de TV em horário demasiado acessível, com os protagonistas comovidos, e cheios de lágrimas, e o Sr. Doutor armado em bom Samaritano, convenhamos que é um tanto deprimente.   

E assim vai o nosso mundo português, onde até a desgraça duns, é aproveitada para distraír os outros. Os dramas sempre tiveram audiência, "os espertos" sabem disso, e sabem onde carregar...

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Tem oportunidade e foi roubado á Outra Margem.

Quem É Igual A Quem?

Na Vila de São Pedro, os amadores de teatro daquela peça, vivem momentos de contentamento, isto pelo facto, do publico local, ter esgotado pela segunda vez, o Clube Mocidade  Covense,
Esta gente que recebe apenas as merecidas palmas dos seus conterrâneos ( vejam bem esta solidariedade ) vai levar á cena no próximo sábado,15h30, no mesmo local,mais outra representação, mas destinada a pessoas que por vários motivos, não gostam ou não podem sair á noite das suas casas, ou dos lares
Ò gentes da minha(vossa) terra que ainda não descobri em mim tormentosas invejas, mas digos-vos com franqueza que gostava e pagava até para estar nesse projecto tão generoso e cuidado para os nossos velhos,
Se mais não posso fazer, porque alguns velhos ainda trabalham aos sábados, espero numa fuga,  para poder dar-vos um forte aplauso á vossa iniciativa. 

Os restaurantes do Bairro Novo, não fazem reservas de mesas.

Aproxima-se o festival dos cabebeleireiros, a 1 de Junho 2014, já confirmados 3o
concorrentes. ( na manhã daquele dia) ao concurso nacional, entre jovens cabeleireiros de senhoras e homens.
A partir das 15h,vão ser apresentadas as tendências em cortes e penteados, da linha
Primavera Verão, 2014, para mulheres e homens, entre outros eventos que vão fazer deste festival, a técnica e a imensa criatividade dos profissionais.
Vários colegas do Porto, Loulé,Guimarães, telefonaram-me para saber se havia hipótese de marcar mesas para o almoço, avisados da confusão naquele curto período para refeição.
Os meus contatos revelaram-se inúteis ( compreende-se que os restaurantes não façam reservas de mesas ) percebendo-se que os pedidos não tenham aceitação, face a uma procura que não é habitual.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Pintaram Santo António de vermelho, mas não ficou completo.

Ser benfiquista é ter na alma a chama imensa, pois é...
Mas ter na alma algum equilíbrio com as emoções, não resvalando para o caricato das opções, também seria benfiquismo com peso, conta e medida, deixando para as tendências do fanatismo, uma margem de minorias, sempre com direito a viver as suas manifestações.
Mas isto de pintarem o Santo de vermelho, o patrono dos casamentos e da cidade de Lisboa, já não sei se sou eu que sou esquisito, ou se isto não tem logica nenhuma, só faltando vestir-lhe uns calções, a camisola, as botas e um boné na cabeça, da coca-cola, então sim, benfiquismo na alma a chama imensa.
Este país está a precisar de uma revolução muito séria, faltando saber se aquela multidão em frente á Cãmara , em Lisboa, foram desempregados ou se ainda pior, faltaram ao trabalho.

O partido que nunca governou e roubou.


Fiel aos meus princípios livres democráticos, vou continuar a votar na C-D-U. porque
há muitos anos que não me identifico com os partidos políticos que arruinaram e roubaram o povo
Se não vivo no charco dos preconceitos, procuro e com esperança que os comunistas no parlamento, denunciem esta tragedia de desumanismo na politica, protegendo sempre os que mais roubam, desprezando os que mourejam um pedaço de pão para levar para casa e para as famílias.
Vivemos numa democracia cívica que muito me anima e me torna feliz, não temos presos políticos nas cadeias, mas falta fazer a democracia social e os equilíbrios entre os ricos(cada vez mais) e os pobres que esperam um prato de sopa das Instituições.
Votar na C.D.U. no meu país livre e democrático,(vamos dar-lhe essa hipótese no domingo) não é a mesma sintonia com regimes comunistas, que pararam no tempo e tem medo de se exporem ao voto popular, há que ter esta consciência que só pode ser assumida por mim e por ti, porque sou(és) livre  e pensas e julgas pela tua cabeça, uma riqueza enorme nos humanos

.

Gosto ·  · 
Gosto ·  · 

Ao anônimo.18 de Maio de 2014.20,01

Refleti sobre o seu enorme respeito, ao meu  sentido democrático, responsabilizando-me no presente e no futuro com esses valores de cidadania, os quais vou continuar a defender.
Sabe meu caro anônimo?
Sou como os velhos cavalos que já não tomam andadura, face á continuada citação da Cova Gala, em vez da Vila de São Pedro. Agora até ao fim dos meus dias. O que agradeço imenso, porque jamais tenho segundas intenções ao alterar o nome de uma terra, a qual vive em mim  com gratidão.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Machado de Assis


NÂO É AMIGO AQUELE QUE ALARDEIA A AMIZADE.

È TRAFICANTE; A AMIZADE SENTE-SE, NÂO SE DIZ

Quanto mais conheço os homens.....

Fazer a comparação entre os cães e os homens, ou dizer que gosto mais dos rafeiros, é exagero que não me permite perceber e desculpar as imperfeições humanas,das quais faço parte, insinuando que gosto mais dos cães, mas não é bem assim.
É certo que tenho um respeito imenso pela matilha, ou sequer por aquele cão vadio que nos faz companhia no Bar, na freguesia de São Pedro, se todos os dias vem ter comigo, saudando-me com o  abanar da cauda. O animal gosta da ração que lhe levo, quase garantindo que este amigo canino não vai morder-me, julgo.
E já agora que falo de homens e cães, de amizades, é esta a questão base, tenho sempre algumas duvidas sobre as fantasias de algumas amizades, sobretudo aquelas de barriga encostada ao balcão, de tintos e brancos, vertidos depois na funcionalidade dos maus caracteres e de uma bexiga a rebentar pelas costuras
Por outro lado não vendo na feira das conversas banais e dos copos até chegar com o dedo, os valores de uma verdadeira amizade, responsável e assumida no caracter incondicional, preferindo valer-me das palavras e dos exemplos. Talvez por este mau feitio, conto pelos dedos os amigos (poucos) porque não gosto de os iludir com falsas manifestações de folclore, como que recordar um texto, publicado em alguns jornais da região, em que definia  que: Entre um ladrão e um mentiroso, venha o diabo e escolha..
Repondo comparações, a meu jeito, o ladrão rouba e desaparece, mas o mentiroso até que se desnude no seu  caracter, já enganou muita gente, com a degradação ética que não sabe o que é.
Por mim e jogando num atento sistema defensivo, é certo que fico admirado com as aldrabices, mas nunca chocado, antes pelo contrário, libertado e tranquilo, porque se a mentira atraiçoa o mentiroso, continuo na minha praia, lavando-me por fora e por dentro,dormindo profundamente, o que não acontecerá com os indivíduos que se traíem a si próprios.

..

domingo, 18 de maio de 2014

Esplanada da Casa do Benfica em Montemor-o-Velho

O almoço correu bem, recordando-se os velhos tempos do Montemorense. O pior foi a digestão, lá para o fim da tarde, graças a um Rio Ave, que na segunda parte calou dezenas e dezenas de encarnados que lotaram os 3 pisos da Casa do Benfica, vendo o jogo e desejosos que terminasse.


O Benfica e os alimentos que faltam para os filhos.

A propósito do comentário anónimo, 16 de Maio de 2014, 22h23, que abordou o fanatismo dos adeptos do Benfica, viajando para Turim, mas faltando em casa com o necessário alimento para os filhos. (Refere-se a alguns, não a todos, evidentemente.) Para  mim é  intolerável tal hipótese, mas ela existe, como se justifica na preocupação do comentador anónimo.
O que está em causa no comentário, apesar de o reconhecer como válido, é saber que  tipo de sociedade, pretende o caro anónimo, se bem que no fundamental das suas análises, estejamos de acordo. Numa democracia liderada por corruptos e inimigos dos que vivem com menos recursos materiais, quando se sabe o que tem sido os golpes de fáceis fortunas no sistema, o nosso dever de cidadania, é a denuncia destas desonestidades e não pensar que num regime comunista, vamos encontrar a justiça também enganosa, do pão, paz. habitação. Quem me dera acreditar em regimes comunistas, teria assim alguma esperança, mas a desgraça é a mesma para o povo, pobre e maltrapilho. Sou frontalmente por governos de esquerda com forte participação parlamentar, face a reformas e projectos de leis, mais favoráveis para o tecido popular, o que de facto não tem acontecido, por isso o meu voto nunca será nestes partidos de engano e soberba, que se esquecem dos problemas que o afligem a si e a mim também.
E quem sabe se atravez dessas propostas parlamentares e democráticas, não teríamos meios combativos para este fanatismo do futebol, cuidando melhor dos problemas citados pelo anônimo comentário?
Todos os clubes no país, vivem com estas medonhas paixões, desvalorizando o essencial em parte, e talvez  prejudicando a família, quem sabe, mas este fenômeno tornou-se universalista, se recordarmos. Por exemplo o C.S.K.A. de Moscovo, que pertencia ao exército  da antiga pátria comunista das brigadas vermelhas, e dos fuzilamentos.
Ao contrário do que se passa por aí nos blogues, com gratuitos insultos a coberto do anonimato, congratulo-me com o seu elevado exemplo, em dizer o que pensa sem recorrer a notórias inferioridades, pois se estamos em sintonia com a desejada solidariedade, parece-me que os meios para a alcançar, não são iguais aos que pugno em democracia, os votos do povo.

sábado, 17 de maio de 2014

Testamento vital vem trazer dignidade em vidas terminais.

A minha opinião sobre tão delicado problema dos doentes em fase terminal, não passa disso, pois outros terão a sua ordem de pensar e a opção  de pedirem  ou não  este testamento para ser assinado a partir do dia 1 de julho, do corrente ano.
Publicado ontem no Diário da Republica, os interessados (sou um deles) podem  livremente fazer a sua opção em fase terminal, ou continuar em morte lenta e com os médicos e as clinicas a deixarem a viúva falida, ou dizer basta e não desejar viver numa anunciada fase em que a morte foi declarada clinicamente.
Problema eticamente elevado, cabendo a cada um agir em condições de boa saúde, o testamento é claro nos seus efeitos. Doença incurável em fase terminal, não existirem expectativas de recuperação clinica feita pelo médico, por doença neurológica ou psiquiátrica.
Entre outras opções, os meios de suporte de funções vitais, por forma artificial, que visem retardar a morte, ou receber sangue, medidas paliativas ( os tesos não tem hipóteses de usufruir do apoio dessas clinicas, digo eu )tudo está previsto neste avançado testamento vital, com duração de cinco anos e podendo ser renovado.
Outra medida a justificar as opções de cada um, acentua que os ensaios clínicos dos que assinem o testamento vital,  podem autorizar ou recusar aqueles ensaios, ou programas de investigaçção cientifica.
Quem o desejar, pode pedir assistência religiosa, quando forem interrompidos  os meios artificiais de vida, na presença da familia ou de amigos, desejando a Extrema Unção, ou não.
Falta saber como vão reagir os paladinos da moral cristã a este testamento, em que cada um deve assumir perante a anunciada morte, a coragem de ter percebido que o fim da vida é uma nobre realidade (é certo dolorosa para quem fica ) mas assumida   para quem cumpriu e se esgotou no percurso do seu caminho.

Esta opinião é basedada numa noticia do C.M. mas sofreu o suficiente para entenderem que tenho
nela o bastante da minha opção em fase terminal de vida.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Chorar pela derrota do Benfica !

O Sr. anônimo. 10.h16 minutos teve um comentário com o seu ajustado melindre social,  sem duvida, escrevendo que se admira num país em crise, falta de emprego, com pobres cada vez mais pobres, a contar os míseros tostões.
Contrariar esta opinião é não ter noção dos graves problemas sociais no país, pelos quais juntamos protestos todos os dias, mas o fenômeno do futebol no país, ( diria em todos clubes ) ultrapassa o limite da racionalidade, existindo ( ainda bem que assim é) uma grande franja de portugueses que podem dar-se a este luxo, enquanto os problemas citados pelo anônimo, claro que não são deles.
Felizmente que em democracias, a nossa continua um desastre social, temos essa liberdade de escolha, quem pode vai quem não pode fica em casa, pouco importa os que ficaram sem luz por não ter dinheiro para  pagar a conta.
Agora lhe garanto meu respeitável anônimo, numa sociedade comunista, eu não vou, porque não me dão liberdade para isso, ou na melhor das hipóteses, se me deixassem sair do país, não ia porque não tinha dinheiro para fazer a viagem a Turim.
Porém, não pense que não entendo e apoio o seu comentário, que reflete uma grande e respeitosa preocupação social, mas será que é sustentada nos valores democráticos, ou pelo contrário sonha com o impossível e desonesto sistema do estado patrão, um fascista,( peço-lhe acredite) para a sua tranquilidade , é pior do que estes corruptos e ladrões que temos no país, porque se falamos ou escrevemos contra eles, vamos dentro, percebe meu caro anônimo.
A estes merdas que se aproveitaram da democracia, quando o povo abrir os olhos, pode vencê-los com um papelinho, os outros só na lei da bala, porque estão presos ao poder com aquela cola dos cientistas, colados ao teto.
Aceite a minha cordialidade e tenha bom fim de semana.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Qual maldição na derrota do Benfica?

È certo que uma partida de futebol tem razões que a razão desconhece, mas daí ao mistério das maldições e dos fantasmas, prefiro a racionalidade a ter em conta e a explicação dos factos decorrentes
Como não tenho feitio para desculpas de mau pagador,( gosto das contas certinhas) o Benfica, foi honesto e trabalhou até ao limite das suas forças, mas faltou-lhe o engenho da ponta final o que faz das grandes equipes, a derrota das maldições e dos fantasmas.
É certo que Sulejmani foi ceifado com violência, ali o vermelho assumia as regras do jogo, mas o árbitro estava em dia de" apito dourado", se não veja-se as duas faltas a justificar as justas penalidades, que decerto teriam desmontado por completo, os feitiços da má sorte  e dos pregadores das maldições.

Excelentes espaços de lazer na freguesia de São Pedro.

Talvez seja um dos sítios mais agradáveis, para tomar um café e dois dedos de conversa, na Cova Gala, tendo ao lado um pequeno lago e repuxos, transmitindo frescura e ambiente.
Na primeira fotografia, o amarelinho, o cão, é cada vez mais um animal estimado por todos os clientes do Bar Beira Rio.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Voando Nas Asas Do Vento,a primeira divulgação sobre o festival dos Cabeleireiros,


O que está em causa sobre o grande acontecimento artístico dos cabeleireiros, no proximo dia 1 de Junho, Casino da Figueira da Foz, não são os nomes das pessoas  (apesar do reconhecimento se justificar) que dão uma ajuda ao festival, mas uma cidade inteira que perdeu o norte das grandes realizações culturais e artísticas, com relevância para o Bairro Novo, no presente a dar mostras que vai no bom caminho.
A Associação do Bairro Novo, é um excelente exemplo com  iniciativas motivadoras e arrojadas, sendo no apoio ao festival dos cabeleireiros, a garantia da sua abertura com um espetáculo de boas vindas aos visitantes.
No meu pedido aos bloguistas da Figueira da Foz e das suas freguesias,VOANDO
NAS ASAS DO VENTO, Custódio Cruz, foi o primeiro a responder á chamada porque ama  a sua cidade, afinal, somos todos os que lhe desejamos a boa imagem e prestigio.
Andréia, Cláudia, Bóia, da Rádio Foz do Mondego,Diário de Coimbra, Beiras, Dever, Voz da Figueira, os bloguistas ,o Museu do meu colega J..P. vamos em conjunto dizer ao país e ao mundo, que na Figueira da Foz, se vai realizar no próximo dia 1 de Junho, um festival que em nada se fica a dever aos que se fazem nas capitais europeias.
No Norte, com mais divulgação na cidade Porto, o Clube Artístico dos Cabeleireiros de Portugal,( não esquecendo o valioso apoio do Casino da Figueira ) iniciou uma campanha sobre o evento, motivando uma viagem á Figueira da Foz, dos cabeleireiros daquela cidade e da região norte do país.

terça-feira, 13 de maio de 2014

Interiores do castelo de Montemor-o-Velho, esperando as vossas visitas.


Insultados e ameaçados, mas resistem!

Se os mouros ganharem, para ti e para a tua familia uma bala deve chegar!.
Esta frase foi inscrita na parede do talho de Manuel Mota, dias antes de apitar o jogo Nacional-Benfica.
A vocação para ser árbitro, o gosto pela aventura, ou então uma profissão que pode render mais de três mil euros por mês, mas nos jovens a vocação tarda a chegar.

Acontecimento de arte e beleza na Figueira da Foz

Dia 1 de Junho 2014, com inicio ás 10h, o renovado festival dos cabeleireiros no casino da nossa cidade e com o seu apoio.
Tendências internacionais, as linhas Primavera /Verão, mulheres e homens, com a organização do Centro Artístico Cultural Dos cabeleireiros de Portugal, sediado no Porto.
Todos juntos vamos conseguir reviver os grandes festivais do passado, já no próximo certame, com
cabeleireiros de França e Espanha.
Faço um pedido aos bloguistas da Figueira da Foz e das freguesias, para que façam a referência a este certame, porque a classe fica agradecida e a Figueira da Foz, merece.

Na cidade vivem pessoas.

É uma evidência tão grande que nas cidades vivem pessoas, onde estás La Palisse?  Talvez me sinta aliviado com esta citação e consiga explicar- vos que entre as pessoas marginalizadas e as que o não são, todas são na cidade, vilas ou aldeias, as pessoas vivas num amplo universo de vivências, ou deveriam ser e  despirem-se de preconceitos.
Muitas delas se desprezam a si próprias, é verdade, assumindo o vazio do desprezo das pessoas da cidade, se porventura a indeferênça é um método corrente do relacionamento  que não existe, sequer um bom dia para com os que vagueiam sem destino. O alccol, a droga, um rol imenso de incapacidades psicologias, não vertem  capacidades para o trabalho e a sua responsabilidade, tornando estes cidadãos á margem de todos os contactos e aproximações. Mas é neste chão igual para todos, que passam as pessoas e não olham na tal justiça da igualdade, fraternidade ( sem que venha aqui soltar-me como paladino do melhor exemplo) as pessoas que vivem na cidade (algumas) assumem exemplos por vezes de que não sou de todo, a pessoa  vocacionada para essas  aproximações, entre o marginal da cidade e o  transeunte, como aquela cena por mim testemunhada e  observada  com uma pontinha de admiração pela atitude de um individuo.Esse  sim, melhor do que do que todas estas minhas tretas, porque agiu em conformidade com a sua consciência e partilha com o marginalizado que ninguém dá atenção. É um cidadão que anda por aí seriamente diminuído pelo alcool ou por doença, mas não deixa de percorrer a cidade de ponta a ponta, fazendo a viagem entre Quiaios e a Figueira, caminhando só e de cabeça enfiada na estrada, Conversava ele com o seu samaritano, num domingo destes, numa das várias artérias em Buarcos. Espanto meu, porque ninguém tem tempo para falar com estas pessoas que caminham sem norte pela cidade, escutando as suas histórias de vida, o certo é que ambos entraram numa pastelaria e eu fui cuscar para alimento da minha curiosidade, feita de esperança e alguma beleza interior.
O cidadão marginalizado e que caminha só no tempo e contra o vento, estrada fora, desde Quiaios, numa acentuada deliquência, estava sentado a uma mesa e saboreava de um prato, leite com café e dois pedaços de pão, enquanto que o seu irmão, de um encontro inesperado e na cidade, tomava um curto café.

domingo, 11 de maio de 2014

Hoje no C.M. Lourenço Marqes.

Faltam metade das 60 fotografias oferecidas  pelo C.M. as quais venho fazendo a devida coleção para deixar ao meu neto Gabriel.
Avenida de Republica no final dos anos 60 (Século XX).
Tenham um bom domingo em família.
Há! Os carros fizeram-me lembrar a bela Havana, correm que se fartam nas grandes avenidas, presos com arames!
Segurei a porta de um taxi. Se não acredita vá ver para acreditar, porque mentir tem a perna curta.

As cidades antigas deste belo país.

O C.M. está a terminar a publicação de 6o fotografias do país antigo, incluindo as ex: colônias.
Fiquei surpreendido hoje com a cidade da Figueira da Foz, Av.Dr Oliveira Salazar, nos anos 6o, mostrando na primeira fotografia, o Palácio Real, em Sintra.
Foi nesse ano que abandonei a Figueira, com destino a Lisboa, Os que  recordam esse tempo (ainda
por cá) sabem do extraordinário fulgor no Bairro Novo, que se estendia a toda a cidade,
A Figueira da Foz, era uma forte referência turística enquanto se descobria o Algarve. Com a ordem das transformações  tudo foi alterado.

sábado, 10 de maio de 2014

Há 30 anos um cão originou-lhe a morte.

A reportagem no C.M. recorda o ciclista que morreu aos 41 anos de idade, o país e o mundo choraram o grande campeão.

T V I, S I C .R T P, 55 milhões em telefonemas dos aflitos da vida.?

Tudo bem. Telefona quem quer, mas são jogos da sorte e do azar, já com reclamações dos casinos, pois Abril nos deu e os homens nos roubaram a hipotese de uma sociedade menos ingrata.
Sem sair de casa, os espectadores a troco de 74 cêntimos, habilitam-se a um prémio monetário, mas a gritaria chega a ser chocante, face ao aliciamento estudado das apresentadoras. 
Telefone já. Pode pagar as suas dividas, pode fazer férias de sonho, olhe as contas da mercearia, olhe que a sua vida pode dar uma grande volta, não faça engonhices, telefone já, entre as mais caricatas perssuações para que os espectadores gastem os seus 74 cêntimos e façam monte naqueles milhões de euros. Tenho conhecimento. que muitos apostadores, com aquela ilusão de ver os seus problemas resolvidos num golpe de sorte, ficaram isso sim, com uma enorme conta para pagar de telefonemas.
O meu problema(acreditem) é verificar que vivemos numa sociedade que sobrevive bem neste mundo das televisões (empresas )  salários pagos a peso de ouro, festas por todos os lados, mas o drama desta estrategia comercial, é direcionada para quem?
Basta ter visto duas vezes os programas, não há que mudar de canal, todos vivem daquele rapinanço. O que me choca são os premiados a chorar com as apresentadoras a lamentar a vida difícil das pessoas, ou desempregadas, ou outras desgraças em famílias que acabam por tentar os últimos cêntimos nos jogos da sorte ou do azar.
Não me parece que as pessoas bem instaladas na vida, recorram a tais programas, já que não vivem desesperadas, pois aquela estrategia comercial foi estudada para apanhar pessoas com problemas financeiros, cujos canais, jamais resolvem os seus problemas, pelo contrário, alimentam ilusões e a queda delas!
Acredito numa sociedade feita por homems justos e sensíveis ás classes populares, o que não tem acontecido, o que não quer dizer que acredite num sistema governativo e comunizado, porque o seu empobrecimento é também chocante, mas aceite a minha franqueza, estes métodos televisivos de caçar dinheiro desta maneira ao povo nunca seria permitido num regime comunista, Veja agora os jovens generosos.Pedem aos que podem para os que precisam, é isto que temos e me dá tristeza, perguntando que tipos de homens nos tem governado.

.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Direitos Humanos e o Socialismo Democrático do Sr Mário Soares.



Se prefiro os exemplos, ás teorias da conspiração, ridicularizadas e desacreditadas, digo-vos já que o meu ceticismo sobre o Sr Mário Soares, é total. Percebo assim  que a minha participação cívica, é reduzida, comparada com  os grandes senhores do poder politico e religioso, por vezes as fontes degradadas da demagogia, excêntrica e enganadora, fingindo que amam as grandes causas da justiça e do bem comum, mas calam a desgraça que não os magoa e náo querem sequer olhar.
A mim, cidadão de ruas e praças, pouco mais me resta do que assumir o meu cívico voto, ou no melhor da minha vontade, colaborar com iniciativas de cultura popular, já que a minha base social, por aí está vinculada desde sempre, limitando-me a ser gente que sente e que contesta as hipocrisias dos que nos querem vender gato por lebre.
Agora o Sr Mário Soares, o português de todas as liberdades, não pertence a estas ruas e a estas praças, já que vociferou pelo país e pelo mundo, as grandes causas da Declaração Universal de Direitos Humanos, enchendo-me a cabeça de sonhos com o seu socialismo democrático, quando as palavras que faz no presente, são uma especie de traição ao seu passado.
Mário Soares  gritou contra a euforia do totalitarismo,(respeito o que o casal Soares, sofreu com a PIDE) mas hoje fecha os olhos a outros fascismos da economia, caindo de joelhos junto dos poderosos da Europa e do seu país, o qual, sejamos justos, ajudou a libertar. O povo aplaudiu-o em jornadas de esperança, acenou com o  pavor de nos ser roubada a  liberdade de expressão, e o povo continuou a  acreditar no messias, vindo do exílio, mas os resultados e os exemplos da sua miragem politica, são hoje um  monumental engano para os que acreditaram em valores sociais e  que acabou por negar a si próprio. Se a democracia é um processo de defender as minorias e os mais fracos da sociedade, o nosso paladino da liberdade, estatelou-se numa visão capitalista, que lhe retirou as honras do cidadão benemérito, sendo agora um idoso familiar e rodeado de honrarias, que estão longe de o fazer um ilustre  e brilhante defensor do que toda a vida pretendeu insinuar, porque carregado de politica e de menos humanismo,( sem este fundamental critério)  o que lhe resta é ideologia.
Os direitos humanos do Sr Mário Soares, são hoje as suas fundações e os privilégios de ter sido presidente e ministro desta pátria, que ajudou a dividir, apoiando o poder politico e econômico, e a outra parte a estender a mão ás instituições de solidariedade, enquanto o povo de que falava nos comícios de Abril, e depois , está  agora no seu esquecimento.
Se leu a carta dos Direitos Humanos, ou se fala em Luther King, esqueceu-se o que  os direitos das pessoas, não é só soltar os presos politicos, é muito mais em cada pessoa dignificada pelo trabalho e não ser perseguida, È um povo que devia não fugir do país, onde lhes faltou padrões de vida decentes, entre outras pequenas e grandes dignidades, que fazem pessoas inteiras e em todos os momentos.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

O Nero esperou pela sua vez!

O Sr Benjamim tem neste cão, uma inseparável companhia.
Um dia prendeu o animal numa arvore em frente do Salão, com receio que eu não gostasse
do animal, dentro da barbearia.
Não faça isso, disse-lhe...O Nero, quem sabe se reconhecido, lança-se sobre as minhas pernas, procurando posição para saltar para o colo do dono, logo que o Sr Benjamim, se prepara para cortar o cabelo. Homens e animal, em perfeita sintonia, esta tarde.

Lição de independência.


Debate de ideias e os seus contraditórios( lugar para todos) na cordialidade e na aceitação por eles, é a lição que nos deixou  no seu Editorial, a directora do J.M. Dra Ana Coelho, um quinzenário em Montemor e nas suas 14 freguesias.
Engraxate ou engraxador (como queiram, ou então lambe botas) o que seria necessário,(vos digo) uns  litros de lixivia, para lavar a minha falsidade de opinião, sobre o que hoje venho manifestar-vos sobre o Editorial,  no Jornal de Montemor, escrito pela sua directora. O que sinto verdadeiramente é uma enorme margem de contentamento e ao mesmo tempo, a minha solidariedade para com aquela jovem jornalista, que se afastou de profissionais (alguns) da hipocrisia e da ganancia do poder a qualquer preço, sempre controladores dos que escrevem com a nobre missão da imparcialidade e do serviço publico.
Caracter, identidade, no que deve ser um jornal para todos, eis o A.D.N. do J.M. que saindo quinzenalmente para a rua, traz consigo a deontologia e uma escola que saúdo em nome dos valores culturais, sociais, desportivos, das Terras de Montemor.
Se não está ligado á Câmara Municipal, nem aos partidos políticos, tão pouco ao poder religioso, se caminha só com o seu esforço, como escreveu no Editorial, a jovem jornalista, garantindo oportunidades para todos, como posso calar-me com esta lição de independência do J.M. Desculpem  montemorenses e as suas freguesias, mas este Jornal é obrigatório o vosso apoio, porque dignifica os que trabalham nele, respeitando critérios e os leitores, aos quais  se deve este assumir de frontalidade com deontologia.
A dado passo do excelente exemplo, acentua...Muitos bem se recordam que os jornais anteriores morreram por seus promotores estarem ligados à politica, ou fazerem do jornal meio de propaganda. Porém, a directora é tão novinha que poderia ser minha neta, quando lhe vou falar um pouco o que foram os jornais que de facto morreram na praia, neste caso no rio mondego, porque de metáforas tambem se vive.
s.

O J.M. pode ter mais dificuldades em crescer por não estar vinculado a nenhum poder, no entanto, sempre ouvi dizer que quanto mais se sobe, maior é a queda, escreveu ainda a directora do J.M. Julgo que disse tudo e num instante para bom entendedor.
É certo que o Jornal, do meu saudoso amigo Santiago Pinto, foi um pouco essa mistura, entre a necessidade de sobreviver com o apoio dos trinta contos da Câmara, e o poder de Pinto Correia, uma velha raposa da politica, que terá reduzido o Santiago Pinto, a muitos silêncios que não se justificavam num Jornal, que circulou entre a espada e a parede. O que levou aquele autarca a chamar-me de barbeiro, em tom depreciativo, face ás criticas que lhe fazia, não no Jornal, mas na praça publica. em jeito de panfletada.
Por outro lado e sem pretender fazer comparações com um mensário que publiquei durante um ano e que acabou com dividas, portanto falido( uma loucura do meu tempo por Montemor) como percebo com esta minha experiência, o valor deste Editorial. Se recordar agora o que é a trapagem dos políticos, em qualquer sitio, quando me foi prometido por mês, um edital, da Câmara, pois de outro modo, o meu prejuízo aumentava todos os meses. Assim e deste modo, este editorial atenua a minha aventura e o sonho perdido, porque foi assim que sonhei e sem o conseguir fazer por mais tempo com independendia, liberdade, respeito por todos, porque escrever e publicar jornais, é um serviço de grande caracter, como exemplifica agora a dra Ana Maria Coelho
Só tive aquela publicidade dois ou três meses, pois julgando que podia abrir o jornal a todos os partidos, eis o “crime” de ter aceitado a colaboração de um articulista ligado ao partido comunista, em Montemor, tendo levado pela cara, que fosse pedir publicidade aos meus amigos comunistas.
Daí este exemplo do J.M.caber em mim com razão e compreensão pela valentia desta jovem jornalista, a quem envio um modesto abraço, num trabalho digno de apoio de todos os montemorenses, incluindo as freguesias, porque se escreve hoje com verdade a história das Terras de Montemor.

terça-feira, 6 de maio de 2014

Olá Licinio Costeira, algures no Brasil.

“Eu sou igual aos políticos da nossa praça, o que prometo é para assumir”porque presunção em água benzida, cada um se lava como entender.
Falando a sério, meu caro arbitro, de antigamente, por terras de Montemor, por aí estão  as fotografias do belo castelo de Montemor-o-Velho, repondo a sua reclamação e de alguns,(poucos visitantes) que também gostavam mais do castelo de Montemor-o-Velho
Há! Já agora e porque sei que tem simpatia pelo Montemorense.Vai inaugurar o campo sintético, a sede social, em 9 de Setembro 2014, data da fundação, também o hino do clube será apresentado naquelas comemorações.
O meu presidente Fernando Pardal (entendendo que velhos são os trapos) já me arrastou para fazer parte da comissão, que trabalha já no renovado Montemorense, com dezenas e dezenas de jovens a praticar diversas modalidades desportivas
A letra é do poeta, pintor, montemorense de saber, o Lito Tomé, a musica do professor Cordeiro, com o apoio das Vozes de Montemor.
Venha daí em férias e quem sabe se não vai matar saudades na tasquinha do Fabrício, no Casal Novo do Rio, porque recordar o passado alimenta a vida presente.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Filipe e Ivãn, dois jovens com cortes diferentes,


Mulheres deste país que lutaram e sofreram pela liberdade.

A Visão publicou uma reportagem notável, das mulheres que lutaram contra os miseráveis crimes da  PIDE,e como foram assassinados a sangue frio os resistentes na clandestinidade, sobretudo os militantes do Partido Comunista
Ler, sentir aqueles dramas como nossos, de grandes e generosas mulheres, eis o meu dever( vosso dever) de as recordar com admiração e reconhecimento.

Samuel e Samuela, no programa de Fátima lopes

Tó Samuel, presidente da Junta de Freguesia de S, Pedro, Cova Gala, Maria Samuela, trabalhadora na Lota da Figueira da Foz, peixeira de profissão, foram esta tarde as figuras populares de uma terra, na qual as suas dedicações foram realçadas e justificadas por longos anos de iniciativas, no desporto (Tó Samuel) enquanto a ( Maria Samuela) correu mundo com o rancho folclórico da Cova Gala.

Olá "PUTO ARTISTA" como estão estas fotografias?

O Castelo de Montemor-o-Velho e a Igreja de Santa Maria de Alcáçova, encontram-se classificados
como Monumento Nacional, por decreto publicado em 23 de Junho de 1910.

domingo, 4 de maio de 2014

Estátua de Camões inaugurada em Havana.



Graças ao Antônio Agostinho, naquelas conversas que fazem parte das nossas preocupações sociais e colectivas, ( mais tarde visitando a OUTRA MARGEM ) tive conhecimento daquela inauguração, assim como a visita a Havana, do secretário de Estado, dos Negoçios Estrangeiros, Luís Campos Ferreira..
Negoçios é isso mesmo, as empresas procuram lucros, tudo bem.Mas  falamos então dos trabalhadores, esperando que as empresas portuguesas, façam respeitar os direitos dos  cubanos. A a estátua de Camões, a juntar Eça de Queirós, no café Egipiciana, onde já fui feliz com mais de 40 portugueses, cantando Coimbra é uma lição, enquanto o piano do simpático negro, nos aconchegava a pátria distante, é sem duvida mais outra referência turística, sobretudo para os portugueses, que fora de portas (neste caso em Havana) vão sentir-se orgulhosos do seu poeta e do seu escritor.
Se fazer turismo é um privilegio e abre horizontes que solidificam as opiniões, a noticia longa e esclarecedora(via Outra Margem) sobre os acordos comerciais, na construção civil ,tecnologias de comunicação, entre outros, diz bem que as mudanças politicas no governo de Cuba, vem ocupando as necessidades de investimentos e uma abertura ás empresas europeias. Um povo civilizado e fraterno, mas chocantemente modesto, precisa de trabalho e salários dignos, o que será um grande choque e contentamento para os trabalhadores cubanos, se vierem a receber subsídios de férias e de natal, sendo esta para já a minha preocupação, se o governo cubano não vai permitir essas regalias aos seus trabalhadores. Se em Roma, vão ser romanos, aproveitando-se da exploração do sistema, ou se justamente  aplicam na prática, os direitos que temos na classe trabalhadora no nosso país, é pois um caso que irei seguir, não sendo para mim difícil saber da hipotética sacanice empraserial, dos que procuram investir em Cuba. A direita também viajou para Havana, decerto não vai perder a oportunidade de um mergulho em Varadero, com assomos de democracia, é bem capaz de simular o caminho para outros banhos, a da exploração dos que trabalham por um salário, porque esta gente pisa e dorme descansada, sem se lembrar que os outros são de carne e osso.
A verdade é que a diferença de salários entre os trabalhadores de  Portugal e em Cuba, um médico trabalhador, ganha 20 euros por mês, igual para todos os trabalhadores, francamente que me ultrapassa  como vão as empresas portuguesas, assumir os seus deveres para com os cubanos, ou vão aproveitar-se do sistema do governo  de Fidel de Castro,agora  preocupado com investimentos estrangeiros, será que os direitos dos trabalhadores que vão laborar nas empresas portuguesas, vão ser vistos  por um canudo, as justas regalias?
O meu receio é que as empresas portuguesas,(algumas empresas) viciadas na exploração por cá, se aporveitem do sistema acomodado dos que trabalham e vivem dos ordenados, pois o que se passa nas luxuosas empresas em Varadero, é um escândalo de exploração, com o conhecimento dos camaradas instalados em Havana.
Os do poder com 40 anos, tem em mãos a via aberta para uma sociedade quase perfeita e controlada, onde não existem crimes de rua, a saúde apoiada é um exemplo, falta apenas alguma controlada liberdade, desde sindicatos livres, soltar os preses políticos. Gostaria que evoluíssem nos seus princípios, alargando as práticas marxistas aos tempos de hoje, melhorando as condições de vida de um povo que merece sair daquele quadro social, justamente para além da ideologia, onde ninguem deve meter o nariz muito menos os americanos, bestas de cargas e embargos.

Visite o Castelo de Montemor-o-Velho.

Creia que passa uma manhã diferente e com memórias em familia, sobre a histórica Vila do Baixo Mondego.
Eu e a minha mulher pisámos o chão, de onde partiram os que assassinaram a bela Inês, dentro da Igreja de Santa Maria de Alcaçova, esta manhã, dia da MÂE.
O Castelo, Montemor, são uma relíquia histórica, vá e porque o espirito vive em comunhão com a carne, visite os excelentes restaurantes na vila de Montemor-o Velho.

Esta cara não me é estranha na Figueira da Foz.Os barões a negociarem em Cuba, a minha alma está doidinha!


Havana os juntou...

foto sacada daqui.

Luís Vaz de Camões.

Um Profeta da Figueira... 

E o do supositório!..